Produção de fitas adesivas: Uma ciência por si só
Cada pequeno rolo tesa® é realmente enrolado separadamente?

Cada pequeno rolo tesa® é realmente enrolado separadamente?

Como funciona o processo de fabrico de fitas adesivas em termos técnicos e de produção? Comprove por si próprio.



Perguntam-nos frequentemente como é que as nossas fitas adesivas são enroladas. De facto, o processo de produção das fitas adesivas seria extremamente dispendioso se revestíssemos e enrolássemos cada uma das fitas adesivas separadamente.

Produção de fitas adesivas: Uma ciência por si só

Tudo começa com o adesivo. Por norma, somos nós que os produzimos. No caso de substâncias de acrilato, isso significa que temos de começar com a polimerização. Por outras palavras, os componentes dos adesivos, as cadeias de moléculas ou polímeros, são misturados através de um processo químico. Posteriormente, estes adesivos são preparados para que possamos aplicá-los facilmente e muito levemente ao material de suporte desejado. Como isto se processa depende do adesivo.

Durante a produção, alguns adesivos são transferidos com um solvente orgânico que evapora muito facilmente. É exatamente isso que usamos em nosso benefício: o adesivo é aplicado muito levemente ao suporte com o solvente pressionando-o através de uma fenda muito estreita. De seguida, o suporte revestido passa através de um túnel de secagem e o solvente evapora. O revestimento da fita adesiva solidifica e liga-se firmemente ao suporte após o processo de secagem. O solvente de evaporação é recuperado quase na sua totalidade na nossa empresa e integrado novamente na produção do adesivo.

A operação é similar com adesivos de base aquosa. É usada água simples como solvente que evapora depois na estufa. Um processo comum na nossa empresa.

Num terceiro processo, é produzida a chamada cola termofusível. Aqui, o adesivo liquidifica por aquecimento e é misturado numa extrusora, uma espécie de triturador de carne. Este adesivo é igualmente aplicado de forma homogénea ao suporte através de uma fenda muito estreita.

global.read_more
Tecnologia de solventes e bases aquosas: Dissolução e mistura das matérias-primas com solventes orgânicos ou ajuste de água dos conteúdos sólidos. Revestimento do suporte com o adesivo dissolvido. Evaporação dos solventes no canal de secagem
Tecnologia de solventes e bases aquosas: Dissolução e mistura das matérias-primas com solventes orgânicos ou ajuste de água dos conteúdos sólidos. Revestimento do suporte com o adesivo dissolvido. Evaporação dos solventes no canal de secagem

Produção de adesivos: Complexa, elaborada e fascinante

Instalações da sala limpa do centro de produção da tesa em Hamburgo
Instalações da sala limpa do centro de produção da tesa em Hamburgo

Poderão ser necessárias outras etapas de produção para determinados adesivos e aplicações. Por exemplo, preparamos o suporte com processos químicos e físicos para que o adesivo adira ao suporte de forma mais eficaz. Se não encontrarmos nada que satisfaça as nossas exigências, produzimos nós próprios os materiais de suporte à medida de determinados requisitos. Por exemplo, são produzidos para ser realmente transparentes.

Na indústria eletrónica, as nossas fitas adesivas são parcialmente usadas para fixar as diferentes camadas do ecrã de um telemóvel. Não devem ser visíveis depois, claro, por isso as propriedades óticas da fita adesiva têm de ser perfeitamente definidas. A tensão interna no material é tão problemática como as impurezas. As mais pequenas partículas de pó podem reduzir a nitidez da fita adesiva. Por esse motivo, produzimos soluções especiais numa sala limpa de classe 7. Uma sala em que o ar é 1000 vezes mais puro do que no cume de uma montanha. Neste ambiente quase sem pó, podemos revestir películas para que se tornem invisíveis. E não há muitos fabricantes de fitas que o façam.

global.read_more

Revestimento de fitas adesivas: Um processo que exige muito espaço

Tecnologia de produção sem solventes em Ofemburgo
Unidade de produção do centro de produção da tesa em Ofemburgo

Durante o revestimento da fita, o material de suporte não possui ainda a forma de tiras estreitas e longas. Estas são largas e de grandes dimensões. São compostas por tecido, películas plásticas, espuma ou outro material. O suporte é enrolado com um rolo enorme e largo, e depois revestido e seco, se necessário, durante o processo. Finalmente, toda a tira é rebobinada. No caso de fitas biadesivas, é inserida uma camada separadora enquanto as fitas são enroladas. De seguida, o processo recomeça para revestir o outro lado da fita. Só depois deste processo é que os rolos largos são cortados noutra máquina com muitas lâminas circulares para produzir pequenos rolos. São depois embalados e enviados ao cliente.

Informação relacionada