Poupar energia com a tesa O especialista aconselha
O físico Joachim Zeller de ebök, um escritório de engenharia localizado em Tübingen (Alemanha), tem vindo a trabalhar em estratégias de poupança de energia há mais de 20 anos. Ele revela como pequenas medidas podem reduzir os seus custos de energia.
Contacte-nos +351214349600
Mesmo a tempo para reduzir os custos de energia para o inverno
A tendência para tudo encarecer é mais notório nos crescentes custos de energia para aquecimento e água quente. No ano passado, as despesas com eletricidade, gas, gasóleo para aquecimento e outros combustíveis aumentaram quase em dez por cento. O físico Joachim Zeller de ebök, um escritório de engenharia localizado em Tübingen (Alemanha), tem vindo a trabalhar em estratégias de poupança de energia, especialmente para casas particulares, há mais de 20 anos. O especialista em energia revela onde se escondem os piores ladrões de energia e que medidas os consumidores podem tomar para baixar os seus custos de energia, mesmo com pequenas medidas.
Físico Joachim Zeller de ebök, um escritório de engenharia localizado em Tübingen (Alemanha)
Físico Joachim Zeller da empresa de engenharia Ebök em Tübingen
Físico Joachim Zeller de ebök, um escritório de engenharia localizado em Tübingen (Alemanha)
Físico Joachim Zeller da empresa de engenharia Ebök em Tübingen
search
Quase metade dos custos de energia em casas particulares é gasto em aquecimento. Onde se ocultam os desperdiçadores de energia?
Joachim Zeller: Não existe apenas um ladrão de energia que possa ser eliminado para se atingir uma eficiência energética óptima. Nos edifícios mais antigos, não restaurados, existem pontos fracos em quase todos os cantos da casa. Elevadas perdas de calor ocorrem, por exemplo, em todas as partes exteriores do edifíco, nomeadamente paredes exteriores, telhado, teto da cave e janelas.

Só as janelas podem ser responsáveis por um quarto do consumo total de energia. Qual a razão?

Joachim Zeller: As janelas mais antigas, principalmente aquelas com vidros simples, têm um efeito de isolamento térmico muito baixo. Brechas à volta das janelas que não estejam hermeticamente isoladas são outros pontos fracos que resultam em perda de calor induzida por correntes de ar e consequentemente em custos de energia mais elevados.

O que se pode fazer para que o dinheiro para custos de aquecimento não seja literalmente atirado pela janela?


Joachim Zeller: Em princípio, faz sentido renvoar a sua casa em termos de energia. Uma renovação planeada para a sua casa deverá ser precedida por uma análise do seu consumo/perda de energia em casa por um consultor de energia qualificado. Esta é a única base confiável para um plano saudável de poupança de energia que resultará em poupanças significativas a longo prazo.
Nem todas as pessoas podem de imediato implementar um plano em grande escala de poupança de energia. Quão eficazes são soluções interinas como isolar as juntas das janelas com fitas de calafetagem?
Joachim Zeller: Um estudo sobre a permeabilidade ao ar das fitas de clafetagem tesamoll® certifica que a gama de produtos tem um comportamento de calafetagem muito bom. Baseado neste fato, calculamos os efeitos de poupança de energia que podem ser atingidos ao isolar contra as intempéries as brechas de várias larguras. O nosso estudo focou-se em casas uni-familiares e residências contruídas nos 1960s e 1970s.
Que resultados foram obtidos?
Joachim Zeller: Em todos os modelos de estudo com larguras de brechas de 2 mm ou mais, a utilização de fitas tesamoll® mostra um resultado de poupança positivo tão cedo quanto após um inverno. As poupanças de custos em aquecimento são então já maiores que o preço de compra das fitas. Para uma casa com muitas janelas não isoladas e com larguras de brechas maiores, até 20 por cento dos custos em aquecimento podem ser poupados utilizando fitas de calafetagem. Um caso concreto: Para larguras de 3 mm poupará EUR 150 em custos de aquecimento por rolo em quatro anos. Para brechas mais largas pode poupar ainda mais dinheiro.
Esta á uma solução apenas para arrendatários ou também para proprietários de moradias e condomínios?
Joachim Zeller: A longo prazo os proprietários estã a apostar em renovar os seus edifícios - também tendo em vista o certificado de energia, que existe desde meados de 2008. É recomendável que os proprietários de condomínio, que não possam decidir por si próprios sobre a possibilidade de substituir as janelas, assim como os prorietários de moradias, que não podem ou ainda não querem realizar a renovação, apliquem fitas de calafetagem nas juntas das suas janelas antes do início do inverno para minimizar a perda de calor.
Poder-se-ão também cometer erros na ventilação de divisões da casa, e não só com a fuga de ar inadvertida através das brechas?
Joachim Zeller: Por razões de saúde e de energia, é desejável uma ventilação apropriada através das janelas. Tal significa que a frequência e intensidade de ventilação está primeiramente relacionada com a temperatura exterior e a humidade na divisão. A regra do polegar para os meses de Novembro a Março é curta, aumentar ventilação por 4 a 6 minutos cada 2 horas, se possível. Durante os meses de verão, a intensidade de ventilação deverá ser significativamente mais elevada, nomeadamente meia hora cada vez que se faça ventilação.
Não é possível apenas ventilar demasiado, mas também de menos. O que acontece então?
Joachim Zeller: Ao ventilar de menos corre-se o risco não só de ter ar abafado, mas também humidade mais elevada, o que pode resultar na formação de bolor. Quando estão aplicadas as fitas de calafetagem deve-se também ventilar mais. Porém, ventilação moderada não é um desperdiçador de energia em contraste com brechas não calafetadas nas janelas.
Qual a razão?
Joachim Zeller: A entrada de ar através das juntas das janelas é resultante do tempo atmosférico. Quanto mais frio e ventoso estiver lá fora, mais o ar é forçado através das juntas. A necessária desumidificação ocorre muito rapidamente, todavia o fluxo de ar através das juntas continua. Por razões energéticas tal deveria ser precisamente ao contrário: quanto mais quente a temperatura exterior, mais intensamente a divisão deveria ser ventilada. A frequência e intensidade de ventilação fica melhor nas mãos da pessoa.